Mineradora Samarco retoma as atividades em Mariana

Publicado em: 14 de dezembro de 2020 | Atualizado: 14 de dezembro de 2020

A mineradora Samarco, controlada através de uma join-venture entre a Vale e a empresa anglo-australiana BHP Billiton, anunciou a retomada das atividades no Complexo de Germano, na última sexta-feira, dia 11 de dezembro de 2020. O comunicado foi realizado através das redes sociais pelo prefeito da cidade de Mariana, Duarte Júnior (Cidadania).

A operação da Samarco terá início com apenas 26% da sua capacidade produtiva, de acordo com a BHP Billiton. De acordo com a mineradora, todos os testes serão realizados para que a operação seja retomada de forma segura e seguindo as normas de segurança da Agência Nacional de Mineração, a ANM.

Economia e licenciamento ambiental

De acordo com o prefeito, Duarte Júnior, o retorno das operações da Samarco na cidade de Mariana será “positivo” e ajudará na economia do município. A mineração é um dos setores que mais empregam na cidade.

Desde o acontecido em 2015, com o rompimento da barragem do Fundão do Complexo de Germano, a Vale e a BHP Billiton, por meio da Fundação Renova, investiram mais de R$10 bilhões na reconstrução da comunidade local e aos danos causados ao meio ambiente, tanto no estado de Minas Gerais como no Espírito Santo.

Em outubro de 2019, o Conselho Estadual de Política Ambiental de Minas Gerais (Copam) aprovou a licença que permitia a retomada das operações da companhia na cidade de Mariana. A licença havia sido suspensa pela Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento do estado no ano de 2016, logo após o rompimento da barragem.

Nova tecnologia para a filtragem dos rejeitos

Fonte: Samarco

Para o reinício da produção, a Samarco adotou uma nova tecnologia para substituir o modelo antigo, evitando assim rompimento das barragens de rejeitos das minas. A retomada contará com um sistema de filtragem e empilhamento a seco.

Ainda em 2019, a empresa já se preparava para o retorno das operações com esse novo sistema. De acordo com a mineradora, esse processo garante a segurança, transparência, inovação e menor impacto ambiental.

Nessa nova solução de tratamento, o rejeito arenoso, que é 80% do total gerado, será filtrado o que vai permitir o empilhamento a seco, sendo assim uma forma mais segura de disposição dos resíduos.

Programa Força Local: programa dedicado ao fornecedor local

Focado no desenvolvimento local e na oportunidade de crescimento dos empreendedores da região, a Samarco criou o programa “Força Local”. De acordo com a gerente de suprimentos da Samarco, Ailana Vilela, o programa irá desenvolver os municípios que fazem parte da Área de Influência Direta (AID) da companhia.

“O Força Local será uma oportunidade para estimular o desenvolvimento local, de alcançarmos novos fornecedores em nossa área de influência direta, mas, principalmente será uma iniciativa para que o empresário local esteja cada vez mais preparado para atender possíveis demandas da Samarco e de outras empresas por serviços, materiais, equipamentos e insumos. Um dos objetivos do Força Local é pensar o território para além da mineração”

As rodadas de negócios já aconteceram em novembro de 2020 e em 2021 será realizada mais duas. Essas rodadas estão sendo realizadas em parceria com os associações locais do comércio das 7 cidades da AID.

Reconstrução de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo

Em um comunicado publicado pela Fundação Renova, as empresas Vale e BHP Billiton reforçaram o compromisso com a reconstrução de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo, mesmo no limitante cenário da pandemia do novo coronavírus:

“Os reassentamentos de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo ganham forma nas primeiras casas sendo concluídas, nas ruas pavimentadas, bens coletivos em etapa final, vias iluminadas e obras de infraestrutura avançadas. As obras foram adaptadas ao cenário da COVID-19. Cerca de 470 famílias participam ativamente do processo. A questão do prazo está sendo tratada no âmbito de uma Ação Civil Pública, tendo sido o juízo devidamente informados sobre os impactos da Covid-19 no andamento das obras desses reassentamentos”, disse a fundação.

Fundação Renova

Além de promover o reassentamento das famílias que perderam as suas casas no rompimento da barragem. A Fundação Renova promove programas socioambientais e socioeconômicos, fomentando o empreendedorismo local, promoção da inovação, retomada das atividades aquícolas e pesqueiras, além do turismo que é uma frente presente na região.

A Fundação Renova é um órgão autônomo compostos pela Samarco, Vale e a BHP Billiton. Para conhecer mais sobre a fundação e como ela contribui com a região e para a retomada das operações da Samarco, clique aqui.

Operação no Complexo de Ubu (ES)

Ainda de acordo com a Samarco, as operações no Complexo de Ubu, no Espírito Santo, deverá começar ainda na segunda quinzena de dezembro, quando darão início a produção de pelotas de minérios de ferro, após todos os testes dos equipamentos forem realizados.

O retorno da mineradora no Espírito Santo é aguardado para a retomada da economia do estado e na geração de empregos. Durante o seu funcionamento pleno, a empresa gerava cerca de 20 mil empregos diretos e indiretos. A sua representatividade no Produto Interno Bruto (PIB) do Espírito Santo era de 5%.

Com o retorno gradativo das atividades, espera-se que a Samarco empregue 6 mil colaboradores, diretos e indiretos, além de contribuir com 1.7% do PIB do estado.

Nota na íntegra da Samarco sobre a retomada das operações

“A Samarco informa que iniciou hoje (11/12) o comissionamento integrado das operações no Complexo de Germano, em Mariana (MG), com a operação de um dos seus três concentradores e da nova planta de filtragem de rejeitos. O comissionamento integrado consiste no teste dos equipamentos que irão operar no momento da retomada.

Esta operação faz parte do planejamento do reinício das atividades e visa garantir a segurança das pessoas, das comunidades e do meio ambiente.

O reinício das operações atualmente está previsto para a segunda quinzena de dezembro quando se espera o começo da produção de pelotas de minério de ferro no Complexo de Ubu (ES), e após finalizados todos os testes dos equipamentos.

O reinício gradual acontece após a empresa obter licenças ambientais aprovadas por órgãos competentes e incorporar novas tecnologias para disposição final de rejeitos – cava confinada e sistema de filtragem de rejeitos para empilhamento a seco”.

Em outubro, nós publicamos um artigo contextualizando um pouco mais sobre a retomada da Samarco e as iniciativas da empresa em relação a segurança de suas barragens e o fomento do desenvolvimento local. Clique aqui para ler mais!

Fale conosco no Whatsapp