fbpx

Como medir uma correia

como medir uma correia

Você sabe como medir uma correia? E como especificar uma correia sincronizada e correia industrial em “V”? Tem ideia de como se deve proceder para medir o comprimento de uma correia transportadora enrolada? 

Não? Então, você precisa conhecer a JW Engenharia. 

A JW Engenharia é um fornecedor industrial que atende todo o Brasil, levando produtos de alta tecnologia e soluções técnicas que possam reduzir custos e aumentar a disponibilidade operacional das plantas. 

Visando aumentar a produtividade de seus clientes, a empresa disponibiliza instruções sobre como medir cada tipo de correia, seja correia transportadora, correia sincronizada e a correia industrial em “V”.

Para aprender mais sobre esse assunto, continue a leitura deste artigo. Não perca essa oportunidade!

Como saber o tamanho de uma correia?

Para saber o tamanho de uma correia é interessante conhecer a estrutura da correia industrial, e os tipos de correias industriais, tendo conhecimento de todas as suas condições e operações de trabalho.

A partir disso, é preciso medir o diâmetro das polias e a distância entre os centros de seus respectivos eixos. Após, o ideal é realizar um desenho que exemplifica a estrutura, como o exemplo a seguir:

Para identificar o comprimento da correia deve-se calcular o perímetro da figura desenhada. O raciocínio é considerar toda área de contato da correia com a polia, considerando ambas as semicircunferências (pois apenas metade da polia está com contato com a correia).

Assim, pode-se dizer que o comprimento será o perímetro da circunferência (duas semicircunferências é o mesmo que uma circunferência completa). Não podemos nos esquecer de acrescentar o valor relativo aos segmentos de reta existente entre os centros dos eixos das polias. 

Explicando, matematicamente, temos o comprimento L, a seguir:
 L =π . d+2 . c

Sendo que:
L – Comprimento total da correia;
d – diâmetro da circunferência;
c – distância entre os centros dos eixos

Como especificar ou medir uma correia em V?

Uma das principais dificuldades para identificar uma correia já desgastada é que as marcações sumiram por conta da ação do tempo. Então, medir uma correia em “V” se torna uma tarefa um pouco mais trabalhosa. 

Contudo, não é um bicho de sete cabeças. Para especificar, identificar ou medir uma correia em V é preciso seguir alguns passos.

  1. Medir a largura superior do “V” da correia (leitura deve ser realizada em milímetros). Caso a correia esteja com um desgaste demasiado, recomenda-se utilizar a parte superior do canal da polia para realizar a medição;
  2. Medir, com auxílio de um cordão, o comprimento externo da correia(leitura deve ser realizada em milímetros);
  3. Utilizar a largura superior da correia para definir qual o perfil desejado;
  4. Utilizar o comprimento externo da correia (transformando-o para polegadas – dividindo o valor em milímetros por 25,4”). Assim será permitido definir o comprimento desejado da correia;
  5. Com a obtenção das informações acima, será possível definir o perfil e o comprimento da correia em “V” necessária para sua operação;
  6. Utilizar o gabarito de polias e correias para selecionar as correias que se adéquam aos canais das polias, facilitando a identificação do perfil da correia a ser utilizado.

Veja abaixo um exemplo prático 

A correia em “V” perfil A tem altura de 8mm e largura 13mm.
A correia em “V” perfil B tem altura de 11mm e largura 17mm.

Uma correia 8V-1900 tem o perfil 8V, com largura 25mm, altura 23mm e circunferência (comprimento) de 4830mm.

Quais os tipos de correias?

Os principais tipos de correias de transmissão são as correias em “V” ( vale a pena conhecê-los ) e correia sincronizadas, e que poderiam ser dividos da seguinte forma.

Tipos de correias em “V”:
Lisas Envelopadas: Oleostatic Gold, Oleostatic, Extra, Esaflex, XDV2
Dentadas: Linea Gold, Linea X, Varisect
Conjugadas/Power band: Rubber Pluriband, Torque team
Em elos (Acculink): Acculink
Correias Frisadas: Correias Poly-V em Borracha, Megarib

E as correias Megarib ou Poly-“V”?

Para medir correias Megarib ou Poly-“V” é preciso, em primeiro lugar, medir a circunferência da correia, como se estivesse medindo a cintura de uma pessoa. Após, é preciso identificar o passo da correia (medir do centro do dente até o centro de outro dente) e, por fim, contar os números de frisos. Bem simples, não é mesmo?


Como medir a correia sincronizadora, sincronizada?

A correia sincronizada também pode ser medida. Para isso deve-se contar o número de dentes, medir a largura da correia, medir a circunferência da correia (analogamente às correias Megarib ou Poly-”V” – como se estivesse medindo a cintura de uma pessoa), e, por fim, identificar o passo da correia.

Contudo, é preciso ter um pouco de atenção neste ponto. Toda correia de transmissão padronizada nos sistemas DIN ou ISO devem ser marcadas em seu costado, onde deve conter:

1. Nome do fabricante ou marca;
2. País de origem da correia;
3. Seu código de comprimento ou sua referência padronizada;

Dessa forma, é fundamental questionar os fornecedores quando receber as correias sem as respectivas informações e, principalmente, com sinais de raspagem no costado, deixando-a sem identificação. Preste atenção nesses pontos!

Tipos de correias sincronizadoras:

Material em Borracha: Isoran Platinum, Isoran Gold, Isoran Silver, Isoran Silver2, Isoran Imperial and Imperial DD, Isoran RPP and RPP DD, Rubber Megapaint
Material em Borracha Aberta: Rubber Open End, RPP Steel
Material em Poliuretano (PU) Fechada: Megapower, Megapower2, Megapower FC, Megaflex
Material em Poliuretano (PU) Aberta: Megalinear, Megalinear FC, Megalinear QST, Megalinear GW

Como medir o comprimento de uma correia transportadora enrolada?

A principal função das correias transportadoras é transportar produtos, como minério de ferro, ouro, manganês, grãos e outros materiais de um ponto até outro, seja na linha de montagem ou em longas distâncias, levando materiais leves ou pesados.

Pode calcular-se matematicamente o diâmetro final da correia transportadora, o comprimento de uma correia transportadora enrolada, existente em armazém, na qual se perdeu a indicação do comprimento.

Será necessário realizar algumas relações matemáticas, simples, para conseguir estabelecer o comprimento da correia transportadora. Veja:

É importante destacar que todas as variáveis devem ser expressas em metros. 

Por fim, com a utilização da expressão 11 é possível obter o diâmetro final de uma correia transportadora de comprimento “L”, espessura “e” e diâmetro “D”

As expressões 6 e 7 permitem obter o comprimento de uma correia enrolada num núcleo de diâmetro Di e que apresenta um diâmetro exterior De, se for conhecido o número de voltas n (expressão 6) ou se for conhecida a espessura da correia e (expressão 7).

É importante ressaltar que o diâmetro interior de enrolamento “Di” deve ser adequadamente estabelecido (tal como o diâmetro mínimo das polias), de forma a não provocar tensões elevadas e deformações na estrutura da carcaça. Esse diâmetro deve ser ajustado à espessura total da correia e à estrutura da carcaça, levando em consideração o tipo e o número de telas.

Como calcular polias e correias?

Por fim, mas não menos importante, também é importante ter conhecimento sobre como calcular polias e correias. Contudo é preciso lembrar que existem diversos tipos de polias e de correias. 

Os tipos de polia dependem diretamente da superfície na qual a correia se assenta. A correia, por sua vez, é um elemento que transmite movimento de rotação entre dois eixos, intermediado por polias. Em outras palavras, o sistema de polias e correias faz com que um implemento dependa diretamente do outro para seu perfeito funcionamento. 

A melhor forma de se calcular o sistema de polias e correias é levando em consideração que a velocidade linear “v” de uma correia é a mesma em todo seus pontos periféricos, desde que não haja nenhum tipo de escorregamento. 

Assim, temos:
1. v = r1ω1 = 2r1;
2. 2 · n1π 30 = ϕ1n1π 60

A figura a seguir mostra duas polias acopladas por uma correia. Além das dimensões presentes na figura, leve em consideração que “ω” é a velocidade angular da polia em rad/s e “n” é a sua velocidade angular em rpm.

Então, temos: v = r2ω2 = 2r2 2 · n2π 30 = ϕ2n2π 60 (2) onde r2 é o raio da polia motora, ϕ2 é o diâmetro da polia motora, ω2 sua velocidade angular em rad/s e n2 é a sua velocidade angular em rpm.
Comparando as equações (1) e (2), obtemos a relação diâmetro versus velocidade angular em rpm: ϕ1n1 = ϕ2n2 (3) 

Desta relação, podemos afirmar que a rotação de uma polia e o seu diâmetro são grandezas inversamente proporcionais.

A melhor maneira de saber como medir sua correia e de escolher a melhor alternativa para o seu negócio é contar com a ajuda de especialistas no assunto. Existem empresas no mercado, distribuidores de correias Megadyne, que certamente poderão te ajudar. Então, não hesite e entre em contato com os especialistas, garantindo a melhor escolha para sua indústria. Não perca essa oportunidade. 

Saiba mais detalhes com nossa equipe!

Entre em contato com a nossa equipe técnica ou de vendas e saiba mais sobre os nossos produtos.

Para solicitar um orçamento ou pedir mais informações, basta entrar em contato conosco pelo telefone ou preencher o formulário abaixo:

Veja toda a linha completa de correias industriais.
Conheça os Tipos de Correias em “V”.

jw engenharia botao contato pelo whatsapp

Conteúdos Relacionados

Clique aqui para download do arquivo em PDF

Fale conosco no Whatsapp