fbpx

Como corrigir desalinhamento de correia transportadora com o uso da topografia. Critérios e tolerâncias

Este artigo foi desenvolvido por Willian de Castro

O objetivo deste artigo é demonstrar através de alguns critérios como o levantamento topográfico pode ajudar na correção dos desalinhamentos de correia transportadora provocados por desvios estruturais tais como desnivelamentodesalinhamento e falta de esquadrejamento, sendo estes os tipos de desalinhamento mais comuns de acontecer no manuseio de materiais a granel. Desvios estruturais em transportador de correia podem estar presentes principalmente em roletes, tambores e decks (viga parte estrutural do transportador de suporte dos roletes). 

Ressalta-se que este artigo não tem o propósito de descrever um procedimento de como fazer a topografia em si, com detalhes de medições, uso de equipamentos e demais expertise da atividade, mas mostrar os tipos de desalinhamentos que podem ser corrigidos com o uso desta técnica bem como os critérios e as tolerâncias admissíveis baseados em referências técnicas.

Como foi demonstrado no artigo “Desalinhamento de correia transportadora. Porque acontece e como corrigir”, disponível em: https://www.jwservice.com.br/noticias/desalinhamento-de-correia-transportadora-porque-acontece-e-como-corrigir/  o desalinhamento de correia transportadora pode ser provocado por diversos fatores sendo os principais: 

Desvios estruturais: Estrutura do transportador, roletes e tambores, sistema de esticamento;

Fatores ambientes: Fortes ventos, chuvas, incidência de sol;

Correia transportadora: Fabricação, manuseio e armazenamento e instalação;

Alimentação: Chute de transferência.

O foco deste artigo são os desvios estruturais, que representam fonte potencial de desalinhamento em correia transportadora e mesmo com o transportador sendo instalado corretamente, durante a operação diária podem surgir defeitos nas estruturas. Estes defeitos acontecem devido a empenos nos decks provocados por colisão com máquinas móveis e/ou máquinas de pátio, alterações da topografia devido à sedimentação do terreno, empeno de roletes e/ou outros componentes do transportador durante a substituição da correia transportadora em especifico durante sua passagem na estrutura, acidentes tais como quebra de tambores, rasgos de correia e etc, além da própria tentativa de corrigir desalinhamento sem uma técnica e critérios adequados através do desajuste de roletes e tambores feitos no “sentimento” do mantenedor.

A topografia industrial é uma técnica que frequentemente é utilizada pelo setor de manutenção para auxiliar em correções estruturais e pode ser definida como o estudo e aplicação dos processos de medidas, baseado na geometria aplicada, onde os elementos geométricos (ângulos e distâncias) são obtidos através de instrumentos topográficos, que visa informar se o projeto está em delineação correta, sem nenhum ponto fora do padrão fazendo isso por meio medições. Isso é possível com o uso de alguns instrumentos específicos para as medições topográficas, sendo os principais: teodolito, nível topográfico, estação total e mira.

Como corrigir desalinhamento de correia transportadora com o uso da topografia. Critérios e tolerâncias
  1. Teodolito – Equipamento onde se faz leituras angulares verticais e horizontais com precisão.
  2. Nível topográfico ou nível ótico – equipamento instalado entre pontos a nivelar e usado para a leitura de alturas sobre uma mira posicionada verticalmente sobre os pontos.
  3. Estação total – instrumento eletrônico que faz leituras angulares e de distâncias e as armazena internamente. 
  4. Mira – régua graduada usada em nivelamento geométrico e que deve ser posicionada verticalmente sobre o ponto visado para leitura da altura entre o chão e o plano horizontal formado pela visada de nível ótico.
Como corrigir desalinhamento de correia transportadora com o uso da topografia. Critérios e tolerâncias

Por conceito básico de projeto é necessário que os componentes como roletes e tambores devem estar esquadrejados em 90º graus com a linha de centro do transportador, ou seja, o eixo longitudinal destes componentes deve estar perpendicularmente ao eixo central do transportador, além de também estarem no mesmo nível e alinhados linha de centro do componente com linha de centro do transportador. 

Desvios neste sentido podem provocar sérios desalinhamentos em correia transportadora devido as condições que levam a este evento, ou seja, a correia fará o movimento para o lado que tiver mais fricção ou o lado que alcançar a fricção primeiro. Quando um lado da correia encontra a fricção, ela se move mais lentamente, portanto, o outro lado da correia vai se movimentar mais rapidamente, sendo assim, ocorre um desiquilíbrio de forças que conduz a correia ao lado de movimento mais lento. 

Como corrigir desalinhamento de correia transportadora com o uso da topografia. Critérios e tolerâncias

Antes de seguir para os critérios de topografia em transportador de correia, é preciso entender os conceitos das fontes dos desvios estruturais

Esquadrejamento: Colocar determinado objeto dentro de um esquadro formando um ângulo de 90° (ângulo reto).

Desnivelamento: Diferença de altitudes entre duas superfícies.

Desalinhamento: Alteração da linearidade, desvio da posição do objeto. 

Critérios de verificação e tolerâncias para os componentes do transportador de correia: roletes de carga, tambores e decks. 

As tolerâncias abaixo são referentes ao manual da CEMA (Conveyor Equipment Manufacturers Association) principal referência na área de transportadores de correia.

Como corrigir desalinhamento de correia transportadora com o uso da topografia. Critérios e tolerâncias

A seguir serão mostrados os exemplos conforme citado na tabela acima de desalinhamento de correia transportadora provocado por desvios estruturais.

Desalinhamento de roletes

 A CEMA recomenda corrigir quando o desalinhamento dos roletes for superior a +/- 1/8” ou 3,2 mm. Na imagem abaixo é possível ver o deslocamento axial do rolete em relação ao eixo central do transportador.

Como corrigir desalinhamento de correia transportadora com o uso da topografia. Critérios e tolerâncias

Desnivelamento de roletes

A CEMA recomenda corrigir quando o desnivelamento entre os roletes for superior a +/- 1/8” ou 3,2 mm.

Como corrigir desalinhamento de correia transportadora com o uso da topografia. Critérios e tolerâncias

Esquadrejamento de roletes

A CEMA recomenda corrigir quando o desvio no esquadrejamento dos roletes pelas diagonais A e B forem superiores a +/- 1/8” ou 3,2 mm. Na imagem abaixo é possível ver a falta de esquadro do rolete, ou seja, não está perpendicular com o ângulo de 90° graus com o eixo central do transportador.

Como corrigir desalinhamento de correia transportadora com o uso da topografia. Critérios e tolerâncias

Alinhamento de decks

A CEMA recomenda corrigir quando a diferença das cotas A e B dos decks for superior a +/- 1/8” ou 3,2 mm.

Como corrigir desalinhamento de correia transportadora com o uso da topografia. Critérios e tolerâncias

Desnivelamento de decks

A CEMA recomenda corrigir quando a diferença de nível dos decks for superior a +/- 1/8” ou 3,2 mm.

Como corrigir desalinhamento de correia transportadora com o uso da topografia. Critérios e tolerâncias

Para tambores, a CEMA define as tolerâncias menores em relação aos roletes e decks. Outra particularidade destes componentes além do desalinhamento, desnivelamento e desvio no esquadro, é que o revestimento do tambor quando está danificado seja por borracha ou cerâmica, pode provocar uma superfície irregular e como consequência desalinhar a correia transportadora.

Como corrigir desalinhamento de correia transportadora com o uso da topografia. Critérios e tolerâncias

Desnivelamento de tambores

A CEMA recomenda corrigir quando o desnivelamento entre os níveis dos mancais do tambor for superior a +/- 1/32” ou 0,79 mm.

Como corrigir desalinhamento de correia transportadora com o uso da topografia. Critérios e tolerâncias

Esquadrejamento de tambores

A CEMA recomenda corrigir quando o desvio no esquadrejamento com o ângulo de 90° for superior a +/- 1/32” ou 0,79 mm.

Esquadrejamento de tambores

O sistema de esticamento também são fontes de desalinhamento em correia transportadora, quando estes possuem desvios estruturais. Apesar da literatura não informar as tolerâncias admissíveis, recomenda-se utilizar como referência as tolerâncias informadas para os roletes e decks. Abaixo, segue alguns critérios para topografia neste componente.

Alinhamento

  • Garantir que a linha de centro entre trilhos de translação do carro ou guias do contrapeso coincidam com o eixo central do transportador
  • Garantir que a linha de centro transversal do carro de esticamento ou estrutura do tambor de esticamento coincidam com o eixo central do transportador
  • Garantir verticalidade das guias de contra peso.

Esquadrejamento

  • Garantir que a linha de centro transversal do carro de esticamento ou estrutura do tambor de esticamento esteja perpendicular ao eixo central do transportador ao longo de todo curso de translação.

Nivelamento

  • Garantir nivelamento do carro de esticamento ao longo de todo o seu curso de translação.
nivelamento

Problemas resolvidos por topografia

Alguns problemas apresentados em transportadores de correia podem ser resolvidos com o uso da topografia conforme tabela.

problemas resolvidos por topografia

Conclusão

Foi mostrado neste artigo os critérios, tolerâncias baseadas no manual da CEMA e alguns modos de falhas de desalinhamento em correia transportadora que podem ser solucionados por topografia.

A topografia é uma importante técnica que pode auxiliar a manutenção quando medidas mais precisas são necessárias, porém ressalta-se que não é uma técnica simples e de baixo custo para ser aplicada, pois requer equipamentos específicos, procedimentos consistentes e mão de obra qualificada para fazer um serviço de qualidade.

Referências

CEMA – Conveyor Equipment Manufacturers Association. 6724 Lone Oak Blvd. Naples, Florida 34109. 5° Edição

jw engenharia botao contato pelo whatsapp

Conteúdos Relacionados:

Fale conosco no Whatsapp